Antes de realizar a internação de um ente querido, normalmente busca-se por clínicas de recuperação que aceitam convênio médico como em Cabreúva, Salto, Campinas e Itu. Sabe-se que a doença do comportamento adictivo é uma das doenças consideradas como doenças de cunho mental (transtornos mentais) e que exige um enfático trabalho árduo na questão do tratamento. Um tratamento bem estruturado é de vital importância quando se trata de recuperação justamente para que sejam evitados os procedimentos de recaídas ao qual os pacientes em recuperação têm uma predisposição.

Quando se tratam de drogas que tem uma potência de vício muito grande, independente de sua licitude ou não, a adesão ao tratamento têm de ser de 100% por parte do paciente, justamente para que sejam traçadas metas no tratamento para que a prevenção à recaída tenha a máxima eficácia e importância. Além do mais, as clínicas de recuperação tem um papel importante no tratamento da doença do comportamento adictivo aliado ao consumo de substâncias psicoativas. É um assistencialismo total e de máxima segurança à pessoa que está dentro de um instituição.

Portanto, para partirmos de um pressuposto inicial, a equipe AcheAqui Clínicas desenvolve este artigo com uma temática importante, principalmente quando se diz respeito aos recursos que as instituições consomem da família. Conforme anteriormente declinado, as instituições que trabalham com o resgate desse familiar que é dependente químico consomem diversos recursos financeiros no tratamento do dependente. Sejam com médicos psiquiatras, com a instituição em si, com as necessidades de cuidados básicos de saúde e higiene de seu ente dentro da instituição e os gastos extras. Esses custos não saem por menos de R$850,00 e variam até R$10.000,00 mensais, dependendo de instituição. Entretanto, existem clínicas de recuperação que aceitam convênio médico como em Cabreúva, Salto, Campinas e Itu, o que auxilia pessoas que não tem os devidos recursos imediatos para realizar o tratamento do familiar que é dependente químico em questão. Vamos salientar esse artigo em meio ao tratamento das instituições para que sejam demonstrados em média, os gastos com recurso terapêutico em prol dependência química.

Dependência Química e as Dificuldades do Tratamento

Como sempre citamos em nossos artigos em nosso AcheAqui Blog, a doença do comportamento adictivo aliado ao consumo de substâncias psicoativas é caracterizada como uma das doenças de cunho mental. Sendo assim – “A dependência química está classificada entre os transtornos psiquiátricos, sendo considerada uma doença crônica que pode ser tratada e controlada simultaneamente como doença e como problema social, (OMS, 2001). Por se tratar de uma doença crônica leva a pessoa a uma progressiva mudança de comportamento, gerando uma adaptação a doença, a fim de proteger o uso da droga. Ainda na concepção da dependência química como doença, ela é caracterizada como progressiva, incurável, mas tratável, apesar de problemas significativos para o dependente.” (Fonte: Denarc.pr.gov.br / Divisão Estadual de Narcóticos – Dependencia Química)

Postulado isso como a mesma não tem cura, é progressiva, incurável e fatal; a necessidade de tratamento é algo inevitável. Dentre essas características, dependendo da potência da substância (alto teor de vício) , a necessidade da internação é algo obrigatório e indiscutível. Casos como consumo abusivo de crack, cocaína e álcool, é algo que necessita de apoio em uma instituição independentemente da forma de internação, sendo ela voluntária ou não.

  • Internação Involuntária
    É o tipo de internação que independe da vontade do indivíduo mas que depende de um meio externo ( à família). Neste caso a família busca a ajuda de uma instituição que tenha um médico psiquiatra conveniado e que por sua vez solicite o resgate do futuro paciente. Desta forma a instituição, manda uma equipe de apoio para resgatar esse paciente e realizar o procedimento de internação involuntário. Já dentro da instituição e com o cessar fogo de uso contínuo, o paciente é incitado a aderir ao tratamento reforçando, por parte da instituição, a necessidade do mesmo.

  • Internação Voluntária
    A internação voluntária é um meio de recurso terapêutico mais eficaz. É um tipo de recurso em que todas as partes envolvidas estão cientes da necessidade do tratamento. Desta forma, realizar a internação voluntária é, na maioria dos casos, a mais eficaz forma de tratamento. Justamente pela conscientização do dependente químico, família e instituição.

As Instituições de Recuperação

As instituições de recuperação são divididas em duas grandes categorias. Os hospitais psiquiátricos e as clínicas de recuperação. Como o tratamento da dependência química é algo muito individualizado, ou seja, há uma complexidade muito grande da adesão do recurso terapêutico por parte do indivíduo justamente por ser uma doença de cunho mental. Há uma necessidade de no ato da internação na instituição, fazer uma avaliação do paciente, não só para avaliar o seu estado físico mas também seu estado mental. Além do mais, outros agravantes podem estar sujeitos à análise como comorbidades e pessoas com necessidades especiais.

  • Hospitais Psiquiátricos
    Essas instituições são caracterizadas por serem instituições com grande porte e com uma grande abrangência do tratamento das doenças de cunho mental. Eles normalmente são divididos em alas e setores que correspondem ao tipo de tratamento específico. Atualmente essas instituições atendem por convênio médico, e também com recursos particulares.

  • Clínicas de Recuperação Fechadas e Abertas
    As clínicas de recuperação são bem comuns e ao mesmo tempo podem variar bastante na forma como realizam o tratamento da dependência química. Normalmente as instituições abertas têm uma disponibilidade de vagas para tratamento voluntário. Enquanto as clínicas fechadas aceitam tanto a internação involuntária quanto a voluntária. Além do mais existem clínicas de recuperação que aceitam convênio médico como em Cabreúva, Salto, Campinas e Itu.

O Tratamento

O tratamento da doença do comportamento adictivo aliado ao consumo de substâncias psicoativas está associado à uma diversa gama de recursos para que sejam criados meios do indivíduo aderir ao tratamento. Desta forma criar uma rotina por parte da instituição e fazer com que o paciente se adapte à essa rotina é mais que importante para todas as partes envolvidas. Trabalhar a parte cognitiva com terapia ocupacional, atividades físicas, relaxamento, esportes e trabalho em equipe é fundamental para que seja feito um resgate mental do paciente antes do período pré-drogadicção.

Além do mais é feito um acompanhamento por parte da instituição e por grupos de apoio que prestam serviços voluntários à instituição, como Narcóticos Anônimos e Amor Exigente. Consultas regulares à médicos psiquiatras e à psicólogos são de extrema importância no recurso terapêutico e são base de tratamento em todas as instituições, sendo elas hospitais ou clínicas de recuperação. Dentre estes destaca-se a equipe de enfermagem que além de fazer o acompanhamento paciente à paciente, também realiza a administração medicamentosa. Juntamente à isso, a parte de assistência social envolvida também se faz necessária para o tratamento. Todas as pessoas que estão institucionalizadas e são consideradas pacientes, perdem por si o direito de decidir algumas questões pertinentes à si mesmo. Essas decisões ficam na responsabilidade da família e da instituição, por isso a necessidade de uma equipe de assistência social para que seja feita uma ponte entre paciente e família.

As Clínicas de Recuperação e os Planos de Saúde

Conforme anteriormente declinado no início deste artigo, cĺinicas de recuperação que aceitam convênio médico como em Cabreúva, Salto, Campinas e Itu, são um dos meios de pesquisas mais relacionados nos mecanismos de busca online, e nós da equipe AcheAqui Clínicas estamos cientes que existem técnicas que nossas instituições realizam, dependendo do caso, que contribuem no tratamento da dependência química.

Tratar de um doença em clínicas de recuperação com o auxílio do plano de saúde é algo interessante e que auxilia no tratamento mas é algo que é extremamente individualizado. Uma das matérias exibidas em um de nossos parceiros, as Clínicas Restituindo Sonhos, salienta que a função que o plano de saúde exerce no tratamento de quem não possui um recursos e que possui um plano, é cobrir os gastos do paciente. Não na sua totalidade, mas em sua parcialidade. Entretanto existem diversos fatores que são pertinentes à uma avaliação individual e isso não é algo que será especificado aqui.

Existem instituições que são parceiras de alguns planos de saúde, o que ajuda no procedimento de institucionalização com pagamento parcial por plano e por parte privada. Entretanto isso é algo sério e que exige um conversa muito bem posicionada por ambas as partes. Além do mais, exige-se que o plano também tenha convênio com as mesmas instituições, caso contrário este procedimento não tem valia. E antes mesmo de entrar em contato com a instituição para realizar o procedimento, necessita-se que a família do paciente entre em contato com o setor de auditoria e aprovação de guias do convênio médico.

Por fim, este artigo esclarece como funciona a dependência química, o tratamento necessário para que se tenha altas taxas de adesão, as instituições que são pertinentes no processo de institucionalização. Os meios para o tratamento e os gastos com os mesmos. Que resultam na necessidade de recursos financeiros da família. Todavia existe a possibilidade de que clínicas de recuperação aceitem convênios médicos como em Cabreúva, Salto, Campinas e Itu.

Deixe seu comentário