Quando eu descobri que eu já estava dependente químico foi exatamente quando eu percebi que todos que eram legais e caretas, se afastaram. Principalmente a família, porque eu fui com o tempo me isolando. A minha vida, nessa fase, não estava fluindo da maneira que eu esperava. Tinha momentos que tudo parava, dava literalmente um , não ia nem pra frente e nem para atrás.

A princípio, eu até achava a graça, achava bonito, eu acabava me envolvendo com as pessoas que estavam junto, nessa prática de consumo de substâncias ilícitas. Aí, imediatamente, eu escondia. Aí, o que acontece, justamente nessa época eu comecei a me relacionar com uma pessoa que já era envolvida no mundo das drogas com afinco e quando eu me dei por mim, meu processo adictivo aumentou consideravelmente. Como consequência, ambos de afundaram mais e mais.

Como eu já não estava mais aguentando a situação, justamente por pressão psicológica e por ver que minha vida justamente tava dando um nó e não desatava, ai eu resolvi pedir ajuda pra minha família. Liguei para meus pais e falei tudo. Literalmente tudo, vomitei o que estava entalado e precisava que alguém de fora que não estivesse no processo do vício, me desse essa força.

Como resultado disso, eu e meu parceiro, nos separamos. E eu fui morar com meus pais. E dali em diante eu melhorei. Mas foi algo que eu não imaginei como seria. Eu fui tão franco na minha opinião ao querer me livrar das drogas, ainda mais da cocaína, que eu realmente dei o primeiro passo com muita firmeza no meu pensamento. Mas não imaginava que iria me envolver posteriormente com o crack.

Um adendo que gostaria de frisar é que normalmente você consegue esconder no começo. Acho que porque não se entende como é a questão da dependência. Mas depois fica nítido em atitudes e principalmente na aparência. Você não esconde mais que se é usuário. Eu comecei aos 17 e percebi com 21 anos que eu era dependente químico quando meus pais me estenderam a mão pela primeira vez. Mas depois eu recaí, e quando eu recaí, foi muito forte.

Foi aí que eu conheci o crack como substância aí minha vida se tornou apenas desilusão. Mesmo meus pais já sabendo que eu sofria de droga adicção de cocaína, quando eles me viram dependente de crack, a situação piorou muito. Eu fui perdendo aquela essência que eu tinha e fui ficando com a aparência de uma pessoa que estava doente. Eu já estava tão triste e deprimido que não via mais luz no fim do túnel.

Eu já pensava em tirar minha própria vida. E novamente eu fui falar com meus pais. Porém dessa vez minha mãe me ajudou de uma forma muito mais rápida, justamente porque era crack. Por ser psicóloga, minha mãe já fez todos os processos para que minha saúde mental melhorasse novamente e meus comportamentos fossem aos poucos tendo considerável melhora. Consequentemente, fui voltando ao normal e minha vida entrando nos eixos.

Mas sabe realmente o que me fez mudar mesmo? O choque de realidade. Toda aquela pessoa que eu era de tempos atrás. Aquela pessoa sociável, que todo mundo gostava, que era amiga de todo mundo, que todos queriam muito, bem foi se perdendo. Eu fui perdendo quem eu era e fui me acostumando com a vida terrível que eu tinha por causa da sensação que a substância me trazia.

Aí comecei me apegar no que eu gosto de fazer. No trabalho, porque sempre me considerei um cara batalhador e sempre gostei muito de trabalhar. Trabalhei a minha espiritualidade através de vídeos motivacionais. Comecei a rezar mais, e ir trabalhando a questão do eu interior. Da pessoa que eu era antes de me tornar quem tinha me tornado. E quando eu me dei conta, eu evoluí sem perceber. Já estava bem melhor que o esperado.

Pra finalizar, hoje eu me considero um vitorioso. Dia-à-dia eu tenho diversos problemas para enfrentar e consigo resolvê-los de cabeça erguida. Sem recorrer ao processos de droga adicção. Mas sabe uma das coisa que me ajudou consideravelmente? Eu realmente me afastei de pessoas que estavam envolvidas no processo de recorrer ao uso. É uma superação minha mas também divina, porque me apeguei muito na questão do envolvimento com transcendência ao divino. Eu não cheguei a ser internado, mas EU QUIS MUDAR.

Depoimento Colhido por Renan Rugolo Ré na data de 28/07/2020

Deixe seu comentário